quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Teremos Mesmo Evoluido do Macaco?

Image and video hosting by TinyPic
Será que nós evoluímos mesmo dos macacos? Será que nós temos mesmo um ancestral em comum?
Observando as exposições dos museus de História Natural, achamos que essa questão foi respondida decisivamente. Mas a pergunta está longe de ser respondida de facto...
A representação a que temos acesso, a de que o Homem é descendente dos macacos, é uma mera interpretação dos fósseis encontrados - a interpretação de um grupo de cientistas. Há outras interpretações para os factos e fósseis encontrados, mas nenhuma delas é encontrada num só museu do mundo.
Segundo o modelo da evolução, o Homem e o macaco partilham um ancestral em comum, mas a existência desse ancestral ainda é muito contestada e por isso ainda chama "Elo Perdido".
Quando a teoria da evolução de Darwin foi aceita pela comunidade científica, acreditava-se que no século seguinte, haveriam fósseis o suficiente para provar tal teoria. Os "seguidores" de Darwin, ou os chamados Darwinistas, deveriam provar a verocidade dessa teoria encontrando o prometido Elo Perdido. Mas parece que "qualquer" Elo Perdido serve. Volta e meia um esqueleto é encontrado  e seus descobridores dizem ser o Elo Perdido.
As manchetes de jornal vem e vão e, mais tarde, os ossos são classificados como sendo de Homem ou de macaco. O Elo Perdido continua perdido...
Cuidado com o que é exposto nos museus...Um exemplo clássico disso, é a famosa história do Homem de Java, descoberto em 1892 por Eugene Dubois;
 Dubois descobriu um crânio semelhante ao de um macaco muito primitivo e um fêmur a cerca de 10 metros dele e ele pensou que obviamente seriam do mesmo ancestral.O animal andava erecto como um ser humano e tinha crânio de macaco, então podia ser o Elo Perdido; o homem-macaco Pitecantropo. Os fósseis foram datados de 1 milhão de anos. É importante dizer que a teoria do Homem de Java foi baseada sem nenhuma prova ou estudo científico decisivo, onde os fósseis foram unidos de forma não-garantida.Só no final de sua vida Dubois percebeu que o crânio era de um grande macaco, e o fêmur, de um homem. Contudo, o Homem de Java foi exposto proeminente no Museu de História Natural de Nova York até 1984, quando então, foi removido.Hoje, museus de todo o mundo expõem modelos de outro esqueleto clamado como sendo o Elo Perdido, Lucy, a famosa Australopithecine descoberta por Donald Johannsen.
Segundo Johannsen, Lucy era muito parecida com o Homem, porém, o famoso Antropólogo e co-autor do livro "Forbidden Archaeology", Michael Cremo, diz que esteve num Congresso de Antropólogos no qual muitos diziam que ela mal se distinguia de um macaco.Os jornais sempre relatam novas descobertas que nos apontam a direcção da origem do Homem. Mas uma descoberta conclusiva ainda não foi encontrada.
O que acontecerá ao modelo evolucionário se o Elo Perdido não existir? Sem ele, há pouco apoio para a ligação do Homem com o macaco. Com isso, voltamos a velha pergunta, "Quem somos? De onde viemos?".
Na minha opinião eles nunca irão encontrar um Elo Perdido,porque nunca existiu,os Povos Antigos,mostram para quem quiser entender,nos seus Monumentos e Escritos,quem realmente somos e de onde viemos.O Elo Perdido está unicamente,na maneira de vermos a realidade,sem o véu de religiões e de teimosias. 

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

O Templo Indu Kailasa

O Templo de Kailasa foi apelidado de "Caverna 16" das Grutas de Ellora,cobre o dobro da área do Parthenon e é notável por ser a maior estrutura monolítica do mundo que foi esculpida num único pedaço de pedra. Além do impressionante tamanho do Templo, também é notável pelas  suas esculturas, bem como pelo bom acabamento dos seus outros elementos Arquitectonicos.
Ellora é um local Arqueological a 30 km. da cidade de Aurangabad no estado Indiano de Maharashtra construído pelos governantes de Rashtrakuta.
Bem conhecida pelas suas cavernas monumentais, Ellora é um Patrimonio da Humanidade.
O Templo de Kailasa (conhecido também como o Kailasanatha (que se traduz como "Templo do Senhor de Kailasa") é um antigo Templo Hindu situado na região Indiana ocidental de Maharashtra. Este Templo é parte das Grutas de Ellora, um complexo Religioso composto por 34 Mosteiros e Templos esculpidos na rocha.

foi projectado  para recordar o Monte Himalaia,Kailash, a residência do  Deus Shiva. Geralmente acredita-se que este Templo foi construído no século VIII dC, durante o Reinado de Krishna I, um governante do Império Rashtrakuta.
A construção do Templo de Kailasa deve ter sido feito entre 757 e 783 dC.,e o Templo foi esculpido de cima para baixo com apenas martelos e  outras ferramentas simples.
De acordo com uma Lenda Medieval contada pelo povo Marathi de Maharashtra, o Templo de Kailasa foi construído numa semana. Esta Lenda gira em torno de uma Rainha cujo marido estava muito doente. A Rainha orou a Shiva, pedindo ao Deus que curasse seu marido e em troca desse pedido, a Rainha prometeu construir rapido um Templo dedicado a ele. As orações da rainha foram respondidas, e ela cumpriu os seus votos. Os Arquitectos da Rainha, no entanto, estavam preocupados com o desejo de rapidez dela, já que o Templo exigiria um longo tempo para completar. Um dos Arquitectos, cujo nome era Kokasa, no entanto, assegurou à Rainha que ele poderia construir o Templo numa semana. 
Kokasa manteve a sua palavra, e começou a esculpir o Templo na rocha e numa semana, o Templo de Kailasa foi terminado.
Há um Conto interessante sobre o Templo de Kailasa que data do período de Mughal. Durante o Reinado do Imperador Aurangzeb, uma tentativa foi feita pelos Mogoles para destruir o Templo. Aurangzeb já havia destruído inúmeros Templos Hindus e tinha a intenção de adicionar o Templo de Kailasa a essa lista. Dizem que foram enviados 1000 trabalhadores para desmantelar o Templo. Passaram-se três anos, e o Templo só sofreu danos mínimos, ou seja, várias estátuas desfiguradas ou quebradas. Percebendo que era impossível destruir completamente o Templo, Aurangzeb finalmente desistiu.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Justa Torneio Medieval

Justa era um Torneio dual, feito e dividido por classe e posição da época, tanto como vestuário, cavalos, paramentos, armaduras, ornamentos, armas, entre outras.
Consiste numa competição marcial entre dois cavaleiros montados, usando uma variedade de armas, geralmente em grupos de três por arma (como a inclinação com um lança, golpes com machados, ou golpes com a espada), entre outros.
Era necessário ter uma habilidade muito grande para praticar este desporto.
O primeiro torneio foi feito em 1066, mas justa não ganhou popularidade até o século XII. ,sendo depois mantida como um desporto popular Europeu até ao início do século XVII.
Muitos Cavaleiros fizeram a sua fortuna com esses eventos, enquanto muitos perderam a fortuna ou mesmo a vida. Por exemplo, Henrique II da França morreu quando uma lança do seu adversário atravessou a sua viseira e a quebrou em fragmentos, cegando o olho direito e penetrando na sua órbita direita e têmpora.
Como Curiosidade,eis aqui as 6 Regras principais desse Campeonato;

1.º- Não machucar de ponta o adversário.

2.º- Não lutar fora das filas.

3.º- Não lutar vários Cavaleiros contra um.

4.º- Não ferir o cavalo do rival.

5.º- Desferir os golpes apenas no rosto e no peito do adversário.

6.º- Não machucar o cavaleiro que levantar a viseira.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Os Enigmaticos Circulos Ingleses(Crop Circles)

Image and video hosting by TinyPic
O mundo começou a tomar conhecimento dos "Círculos Ingleses" a partir da década de 80, apesar destes Cículos terem aparecido há séculos.
Os Famosos "Círculos Ingleses", os quais são chamados de Círculos por força do hábito, têm sido Documentados desde o século XVI.
Considerados verdadeiras obras de arte por Estudiosos e Especialistas, estima-se que mais de 10 mil destas Enigmáticas figuras já foram Descobertas em todo o mundo, sobretudo no Sudoeste da Inglaterra (próximo à região onde se situa Stonehenge), onde a percentagem de incidência destas figuras chega a 98% dos Círculos já encontrados. Os outros 2% foram encontrados na Austrália, Estados Unidos, França e Canadá.
Os Círculos Ingleses são na verdade um emaranhado de formas geométricas de diversos tamanhos dispostas de maneira organizada. Em alguns casos extremos, Círculos compostos por mais de 200 figuras geométricas perfeitamente dispostas, numa extensão que vai além de 300 m. de comprimento, já foram encontrados sem que os estudiosos tivessem a menor idéia de como foram feitos e o seu porquê.
Os desenhos parecem ser específicos a cada Ano, quase como capítulos num livro. Em 1994, houve uma proliferação do que se convencionou chamar de "Insectogramas", com figuras na forma de Escorpiões, Aranhas, teias de Aranhas e outros Insectos.
Em 1995, os padrões pareciam sugerir sistemas Solares, cinturões de Asteróides e outras figuras Planetárias.
Em 1993, houve uma incidência de padrões geométricos.
Nestes círculos, ou na sua proximidade, nunca foram encontrados quaisquer traços ou pistas que indicassem como foram feitos ou por quem. Não há pegadas de pessoas, ou marcas de pneus de veículos, nem sinal de que as plantas em seu interior tenham sido manipuladas por Humanos. Simplesmente, os Círculos surgem do nada, portando uma mensagem inexplicável e desafiando nossa Inteligência e Tecnologia.
Image and video hosting by TinyPic
As Fraudes;

Estima-se que cerca de 30% dos Círculos encontrados sejam falsos. Diversos motivos levam as pessoas a forjarem as figuras, entre elas estão a vontade de aparecer e ser notícia e principalmente a tentativa de desmoralizar os Estudiosos. Há também aqueles grupos de pessoas que disputam entre si para ver quem faz o desenho mais bonito e mais próximo da realidade e para demonstrar suas habilidades artísticas.O caso mais clássico de forjadores aconteceu há alguns anos. Dois velhinhos reformados de Preston Highs chamados Doug e Dave procuraram a Imprensa Britânica e reclamaram para si a autoria de alguns Círculos descobertos na área de Alton Baines. Sua História correu o Mundo e muitos deram como encerrado o caso dos Círculos Ingleses, porém, quando diante dos Jornalistas, os velhinhos mal conseguiram desenhar tais figuras, resultando em formas mal acabadas, sem qualquer precisão e com poucos metros de diâmetro.
Os Estudiosos mais experientes dizem que os Círculos forjados são mais facilmente identificados pois são realizados de forma irregular, sem a simetria ou a perfeição geométrica dos Círculos verdadeiros e ainda ficam repletos de vestígios de quem os fez e de como.
Nem mesmo os Estudiosos que acompanham os aparecimentos desde o começo da década de 80 se atrevem a esboçar alguma explicação para o Fenomeno.Nos Meses de pico, que se por entre Maio e Setembro (época em que as plantações estão próximas da colheita), milhares de estudiosos de todo o Globo se reunem no Sudoeste da Inglaterra atrás de novas figuras, que às vezes chegam a aparecer quase que diariamente.
É importante frisar que nenhum vestígio foi encontrado em qualquer círculo validado, a não ser uma certa forma de energia desconhecida ou não catalogada pela Ciência actual. Esta forma de energia produz uma mudança a nível genético nas plantas afectadas pelo Fenomeno, a qual faz com que as suas sementes também sejam acfetadas.
Hoje, a Fundação Lawrence Rockfeller vem financiando Pesquisas não convencionais, destinando a estas, largas somas de dinheiro, mas ainda não foi encontrado nada de concreto sobre este Fenomeno.
O Efeito Nas Plantas e No Solo;

Os "Círculos" só aparecem nas plantações de Trigo, Cânola e Cevada. Os caules destas plantas, que normalmente quando entortados se quebram, nas áreas onde o Fenomeno ocorre, chegam a ser entortados em cerca de 90 graus.O entortamento dos caules se dá num ponto entre 20 e 80% da altura total das plantas. Ás vezes, plantas situadas lado a lado na colheita, são entortadas em direções opostas dentro do mesmo Fenomeno.
Uma característica deste Fenomeno é que, quando entortadas, não é possível desentortá-las com o risco de quebrá-las, continuando seu crescimento rasteiro ao chão.Duas Organizações vêm fazendo estudo do solo dos Círculos. 
Elas são o "Center for Crop Circles Studies in England" e uma Organização conhecida como "ADAS Ltd.", trabalhando com o Ministério da Agricultura Inglês. Uma das coisas que eles Descobriram é que os solos adquirem uma quantidade anormal de Hidrogenio após cada formação. O único modo desta quantidade de Hidrogenio aparecer assim seria se o solo recebesse uma carga eléctrica extremamente forte.

Descobertas Significantes;

Sabe-se Hoje que cerca de 90% dos Círculos genuínos surgem quase sempre nas mesmas áreas, Ano após Ano, e invariavelmente sobre ou muito perto de sítios Arqueológicos de milhares de anos de idade.Estes sítios Arqueológicos às vezes estão enterrados e os estudiosos só se dão conta de que existem um determinado lugar quando surgem Círculos lá…
Um factor interessante a se notar é que um certo número de Círculos têm aparecido perto de usinas nucleares, o que nos leva a crer que os responsáveis pelos Círculos estão preocupados com a nossa loucura nuclear.Outro factor é que algumas pessoas dizem ter sido afectadas depois de terem pisado dentro de uma destas formações. Alguns estudiosos comprovam estas Histórias, como o Dr. Collete M. Dowell. Ele, como outras pessoas, diz que em algumas formações que entrou, se sentiu extremamente ansioso ou agitado.Noutras,sentiu-se feliz e outras emoções.
Image and video hosting by TinyPic
Conclusões;

Pelo menos numa coisa os estudiosos já se entendem; os Círculos tem obrigatoriamente um componente não Terrestre e é possivel que nos queiram dizer algo através dos indicifráveis desenhos.Esta conclusão é sustentada pelo facto de que muitas testemunhas como Fazendeiros, Estudiosos e curiosos acampados nos locais veêm com certa frequência Misteriosas luzes não identificados sobrevoarem as colheitas pouco antes dos Círculos terem sido Descobertos. Em alguns casos, certas bolas de luz foram até filmadas e fotografadas, embora com baixa qualidade.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A Cidade de Tiwanaku ou Tiahuanaco

Image and video hosting by TinyPic
Tiwanaku (Tiahuanaco, Tiahuanacu) é um importante sítio Arqueológico pré-Colombiano situado na Bolívia.
Os Tiwanaku formaram uma importante civilização que floresceu nas proximidades do lago Titicaca, sendo por muitos Historiadores considerada como precursora dos Incas.

Existem teorias de que o nome "Tiwanaku" teria derivado do termo "Aimará Taypikala" que significa "Pedra no Centro", referindo-se à rocha que se situa no meio do Lago. Entretanto há de se considerar que os habitantes de Tiwanaku não tinham nenhum Idioma escrito.
A cultura de Tiwanaku iniciou-se com uma pequena Aldeia aproximadamente no ano 1500 a.C., crescendo e constituindo um considerável centro urbano entre os anos 300 e 500, daí espargindo a sua influência e se tornando um poder regional no Sul dos Andes até o ano de 900, quando iniciou sua decadência.
Há evidências de que a Cidade foi abandonada. Daí em diante desapareceu o estilo artístico que a caracterizava.
No ano 1200 a Cidade foi abandonada devido a secas e redução de comida,o seu Império teria desmoronado e os seus habitantes teriam-na abandonado...
As Ruínas desta Cidade e os sítios Arqueológicos mais importantes estão na costa oriental do Lago, no lado Boliviano, a aproximadamente 72 Km a Oeste da Capital La Paz.
A Cidade cobriu uma extensão máxima de seis Km quadrados e teve no seu apogeu,uns estimados quarenta mil habitantes.
Seu estilo de cerâmica sem igual é encontrado numa vasta área que cobre a moderna Bolívia, Peru, o Norte do Chile e a Argentina. No entanto, é difícil dizer se a presença desta cerâmica atesta o poder político desta Civilização sobre esta área ou somente atesta sua influência Cultural ou talvez apenas meramente comercial.
Tratava-se de uma Cultura precursora das grandes construções Monumentais da América do Sul que, embora e admiravelmente se utilizasse de enormes pedras pesando até cem toneladas,cortavam-nas e requadravam e depois as entalhavam e esculpiam (ou revestiam) para encaixá-las umas às outras com uma precisão e engenhosidade raramente encontradas mesmo na construção Monumental Inca posterior,levando a ideias de inumeros Pesquisadores,de que tiveram ajuda de seres mais avançados em Tecnologia.
Hoje, após alguns estudos, pensa-se que Tiwanaku poderia ter sido habitada entre 17.000 a.C. a 12.000 a.C.. O principal indício desta tese são as informações Astronomicas gravadas da Porta do Sol e o facto de que no local existia um Porto para embarcações.Alguns Estudiosos estão convencidos de que Tiwanaku seria a Lendaria Atlântida narrada por Platão.
Image and video hosting by TinyPic
É evidente a originalidade do estilo da arte Tiwanaku, mas é perceptível alguma correlação com o estilo da Cultura Huari, certo que ambas as Culturas definem o período médio do horizonte das Culturas pré-Incaicas, parecendo que ambas foram precedidas pela cultura Paracas que floresceu na bacia Norte do Lago Titicaca. Alguns estudiosos afirmam ter encontrado laços com a influência Cultural e artística da Cultura Chimu.
O sítio Arqueológico de Tiwanaku encontra-se num estado lastimável de conservação, já tendo sofrido ao saque de escavadores amadores à cata de preciosidades desde a queda da Cidade. Esta destruição continuou no século XIX e início do século XX com acções como a redução das pedras monumentais em britas para a construção de ferrovia e o seu uso como alvo de tiro em exercício militar.
Image and video hosting by TinyPic

Hoje o sítio de Tiwanaku é considerado como Patrimonio da Humanidade pela UNESCO, administrado pelo Governo Boliviano.

Curiosidades;

Num dos museus de Tiwanaku, possuem crânios preservados do Povo Antigo de Tiwanaku, um facto intrigante, é que na Civilização Tiwanaku, as crianças que possuíam, inteligência e habilidades superiores ás normais, eram escolhidas para serem Sacerdotes e Sábios, onde desde pequenas recebiam preparação especial, uma delas constituía numa técnica que se utilizava panos e madeira, presos à cabeça desde muito pequenas, possibilitavam o aumento do crânio dessas crianças, e eles acreditavam que com isso se tornariam mais inteligentes, com aumento no número de neuronios(outro facto que levam os Estudiosos da Historia Oculta afirmarem que eram crânios de Seres não Humanos).
A Civilização Tiwanaku, assim como as suas sucessoras, possuíam boa técnica de Mumificação de corpos, e possuem Múmias, tão Antigas, e até mais Antigas do que as Egípcias. O que certamente ajudou na conservação dessas múmias, é o clima frio e seco.

Curiosidades;

Foi encontrado um conjunto Cerimonial, onde se plantavam cabeças Humanas e de Animais, o qual era um Símbolo de Renascimento e que, acreditavam, traria Fertilidade ao solo.
Foram também,encontrados trechos de estrada de 3 m de largura.
Ofereciam Lhamas e Alpacas aos Deuses (encontrados num Templo Descoberto em Agosto de 2000), e segundo Descobertas Tiawanaku teria quase 600 km².

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

O Antigo Egipto e Tutancamon

Image and video hosting by TinyPic
Terra do Nilo e das Pirâmides, o Egipto fascina quem dele se aproxima, envolvendo a todos num clima de mistério e grandiosidade.
De Heródoto a Napoleão, e até os dias de hoje, a História da Civilização Egípcia vem sempre envolta numa nuvem mística, quase etérea, resultado da inevitável mistura de Deuses, Mitos, Monumentos e Personagens que marcaram, indelevelmente, a história da Humanidade. Quando se fala no Egipto da Antiguidade, as primeiras coisas que nos vêm à mente são as imagens das grandes Pirâmides, as múmias e artefactos dos Museus, os Templos e a atmosfera romanesca que cerca tudo o que diz respeito ao tempo dos Faraós, que a literatura e o cinema nos mostram como sempre presentes nas Expedições Arqueológicas, envolvidas por um clima de conto policial de Agatha Christie.
Image and video hosting by TinyPic
Sem qualquer sombra de dúvida, a Civilização do Egipto Antigo atiça a nossa imaginação pela aura de grande mistério que a envolve. No entanto muito já se sabe a respeito do modo de Vida, da sua estrutura social, da estrutura economica, das relações Políticas do Egipto Faraonico.Mas muitas vezes a circulação dessas informações fica restricta ao meio académico ou a umas poucas centenas de Pesquisadores dedicados. Infelizmente há muitas coisas que não chegam a público, originando a formulação de idéias de encobrimento da sua Origem e ideias de Conspiração, engrossando um extenso rol de crenças sobre a Cultura Egípcia, difícil de ser combatido.
Uma equipa de Cientistas conseguiu fazer uma reconstituição das feições de um dos Faraós mais famosos do Antigo Egipto, Tutancamon. Três grupos de Peritos - Franceses, Egípcios e Americanos - reconstruiram modelos separados mas semelhantes de como seria o rosto do Faraó usando radiografias.
Os Franceses e Egípcios sabiam quem estavam recriando, mas os Americanos não foram informados de onde vinha o modelo do crânio analisado.
Os modelos do menino-Rei, morto 3.300 anos atrás, revelaram um jovem com bochechas rechonchudas e um queixo arredondado.
Image and video hosting by TinyPic
Os modelos têm uma semelhança surpreendente com a máscara que cobriu a face mumificada de Tutancamon quando os seus despojos foram encontrados pelo arqueólogo britanico Howard Carter em 1922, e outras imagens antigas.

"Formatos de rosto e crânio nos modelos são notavelmente semelhantes a uma imagem famosa de Tutancamon quando criança, onde ele é retratado como Deus Sol na Alvorada partindo de uma flor de Lótus", disse o Secretário do Conselho Supremo de Antiguidades do Egipto, Zahi Hawass.

Usando imagens de tomografia computadorizada de alta resolução, a equipe Americana identificou correctamente que o crânio vinha de um Norte-Africano.

"As diferenças primárias (das reconstruções dos de Americanos e Egípcios) estavam no formato da ponta do nariz e orelhas", disse Hawass.

As versões Francesa e Americana também traziam nariz e queixo de formato semelhante, mas a equipe Egípcia chegou a um nariz mais pronunciado, de acordo com o Arqueólogo.
As imagens de tomografia computadorizada - as primeiras obtidas de uma múmia Egípcia - foram obtidas em Janeiro. Elas sugerem que o Rei não era muito robusto, mas um homem saudável de 19 anos, quando morreu, provavelmente vítima de complicações resultantes de uma fractura na perna e não de assassinato, como se suspeitava.
Quando foram feitas radiografias do corpo, em 1968, um fragmento de osso foi encontrado em seu crânio levando a especulações de que ele havia sido morto com um golpe.
Image and video hosting by TinyPic
Pouco se sabe sobre os dez anos de Reinado de Tutancamon depois que ele sucedeu Akhenaton, que abandonara os velhos Deuses do Egipto em favor do Monoteísmo.
Alguns Historiadores dizem que ele teria sido morto por tentar trazer de volta o Politeísmo. Outros acreditam que ele foi assassinado por Ay, o segundo em comando, e que acabou sucedendo ao jovem Faraó.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

O Misterioso Homem da Máscara de Ferro

Alexandre Dumas baseou-se na historia do Misterioso prisioneiro da Mascara para escrever mais uma emocionante história dos 3 Mosqueteiros e de D'Artagnan...
Eis a verdadeira história do “Máscara de Ferro”;

A Bastilha, foi construída em 1370 e tornou-se numa prisão durante o reinado de Carlos VI; durante a Regência do Cardeal Richelieu, no século XVII, tornou-se uma prisão para nobres ou letrados, opositores à religião oficial, adversários políticos, agitadores políticos, etc.
No dia 14 de Julho de 1789 o povo de Paris saiu às ruas e invadiu a Bastilha, fortaleza que simbolizava o Absolutismo Real, libertando os seus 7 prisioneiros. Esse feito ficou conhecido como "A Queda da Bastilha", data Hoje,comemorada pelos Franceses .
Por volta de 1679, durante o Reinado de Luís XIV, um prisioneiro foi colocado sob a responsabilidade pessoal do Sr. De Saint-Mars, na época, era Comandante da Fortaleza e prisão de Pignerol, na Savóia. O prisioneiro, sem qualquer registro oficial da prisão, tinha a sua idade desconhecida, sendo simplesmente, pelos seus companheiros e pelos carcereiros da prisão, como sendo o "Máscara de Ferro".Era sem dúvida alguma, fora do comum, mesmo para os locais, onde figuras impares eram "armazenadas", a peculariedade desse preso, o requinte de maldade, numa tortura, aparentemente não dolorosa, mas infinitamente incomoda; pois o rosto do prisioneiro ficava totalmente escondido sob uma espécie de máscara aveludada preta, ligada mecanicamente a um "colarinho"de ferro, cujo mecanismo, impossibilitava a sua remoção sem ajuda de alguém. Embora o reconhecimento facial do preso fosse nulo, os seus movimentos ágeis e maneiras refinadas e elegantes, conduziam a um raciocínio, mesmo subjectivo, de ser ainda jovem e da Nobreza.
Por questões especificas, o "Máscara de Ferro" , na maior parte do tempo, era mantido bem longe das vistas dos demais presos, inclusive, sendo a ala do calabouço, na qual ficava a sua cela, muito bem guardada, e, para completar a segurança, um contacto restrito com a carceragem, sendo apenas uma pessoa escolhida para tal serviço.
Apesar do zelo extremo na segurança do "Mascara de Ferro", era tratado por todos com gentileza e respeito, principalmente pelo Sr.De Saint-Mars, comandante do presídio.
Em 1681, Saint Mars foi transferido para o comando do baluarte de Exilles, em Turim, que, naquela época, era de propriedade francesa; o preso também foi transferido e mantido como tal por seis anos, ou seja, no período completo em que durou a sua gestão.Transferido em 1687, para o Mediterrâneo, como comandante da Ilha de Santa Margarida, Saint Mars, mais uma vez o "Máscara de Ferro", ainda sob a sua responsabilidade, foi conduzido para outra prisão. O infeliz prisioneiro, encarcerado na masmorra da Fortaleza, tentou em vão, de uma forma desesperada, estabelecer contacto com o mundo exterior; com os parcos recursos que dispunha, ora através de fiapos de linho, ora com materiais residuais, tentava a todo custo revelar a sua identidade, com mensagens imperceptíveis ou simbologia desconhecida, pelo menos para os directamente envolvidos.O seu esforço foi totalmente em vão, não demorando a ser descoberto pela guarda local, causando-lhe assim, mais vigilância redobrada, permanecendo preso por aproximadamente 11 anos, quando, em 1698, Saint Mars, retirado do comando da Ilha, para ir dirigir a prisão "A Bastilha", construída em 1370, situada em Paris, já célebre por ter abrigado os mais diversos e notáveis personagens.
Como das vezes anteriores, tornando-se um procedimento usual, recebeu ordens expressas para levar o "Mascara de Ferro" para a Bastilha. Foi uma longa viagem, planejada com detalhes cuidadosos, guarnecidas por uma robusta escolta de soldados para proteger as duas carruagens utilizadas no translado; uma delas, a primeira, levando o "Máscara de Ferro" e a segunda, conduzindo o novo comandante da Bastilha.Como não poderia ser diferente, ao ser levado da carruagem para as instalações destinadas á sua pessoa, o Máscara de Ferro foi alvo de grande curiosidade dos presentes; todas as refeições de Saint Mars, foram sempre acompanhadas pelo misterioso prisioneiro.O militar, tinha ao seu alcance, devidamente preparadas, duas pistolas sobre a mesa, para que não duvidassem da seriedade e do zelo no cumprimento do dever. Conforme procedimentos anteriores, também na Bastilha, nenhum registro do infeliz prisioneiro foi feito, permanecendo dessa forma, por mais cinco longos anos; em Novembro de 1703, subitamente e de uma forma totalmente misteriosa, o Máscara de Ferro adoece num dia e morre no outro, tendo sido enterrado no cemitério de Saint-Paul, e aí sim, pela primeira vez, seu suposto nome foi revelado, constando dos registros , como sendo De Marchiel, com 45 anos de idade.
Qual era a verdadeira identidade do misterioso homem da Máscara de Ferro?E porquê foi tão profundamente vigiado,durante tantos anos?
Em 1711 a cunhada do rei, a Princesa Palatine, mencionou a história numa carta á sua tia.

"O prisioneiro foi tratado muito bem..." escreveu ela, "mas dois mosqueteiros vigiavam-no o tempo todo, prontos para matá-lo caso ele tentasse tirar a sua máscara."

Ele odiava a sua máscara, dormia  e comia com a máscara, e provavelmente morreu com a máscara. Durante os mais de vinte anos que esteve preso, por mais sigilo que se tenha tomado, os rumores fossem espalhados, por toda a França, no Reinado de Luis XIV.
Image and video hosting by TinyPic
Várias foram as versões que apareceram referente á Lenda do homem da Máscara de Ferro;

Era o irmão gémeo do Rei, tendo sido excluso, pelo cardeal Richelieu, para poder preservar a integridade do governo da França; o motivo da colocação de uma máscara, foi o de proteger a sua verdadeira identidade, evitando que os cidadãos percebessem a grande semelhança com o Rei.
Outra versão dos factos afirmava que Ana, da Áustria, mãe de Luis XIV, tinha casado de forma secreta, com Mazarine, seu Ministro, tendo, como resultado da união, um filho, um irmão consanguíneo de Luis XIV.
Também, uma colocação muito divulgada sobre a lenda do Máscara de Ferro , era de que seria o duque de Mommouth, um pretendente ao Trono da Inglaterra. Uma das versões fantásticas e até preferida era de que o prisioneiro seria o filho natural do Rei, com uma das suas amantes Lavaltiere, Montespan ou Maintenon.

O Mistério em torno do "Máscara de Ferro sempre intrigou os Historiadores.Consta que o próprio Voltaire acreditava na versão, de que o cativo não era outro senão o filho mais velho de Ana da Áustria.
A versão aparentemente mais confiável, e acreditada na época, afirmava que o prisioneiro era o Conde Mattoli, agente do Duque de Mântua e que havia sido encarregado das negociações para entrega da Cidade de Casale à França, tendo caído no desagrado do Rei pelo modo como conduzira o "Affaire". Segundo se afirmou; o rei mandara prendê-lo secretamente, entregando-o à guarda permanente de Saint Mars, que era, então, o comandante de Pignerol.
Na destruição da Bastilha, em 1789, com a queima da maior parte dos arquivos, tornou extremamente difícil novas investigações.
Em 1872, o Sr. Jung, oficial de gabinete que tinha acesso a todos os documentos até então existentes em França, efectuou um extenso e minucioso estudo do caso, que dera margem a tantas controvérsias.
No seu relatório concluiu;

"O prisioneiro, conhecido pela alcunha de "Máscara de Ferro", era um Nobre de Lorena, o cavalheiro De Hermoises, acusado de insuflar uma revolta, conspirando ainda contra a vida de Luis XIV."

 Jung relaciona De Hermoises com a notória madame de Brinvilliers, cujas poções venenosas haviam acabado com a vida de muitas pessoas e que, sob tortura, confessou a trama que urdiam contra o rei de França.
A despeito dos esforços do sr. Jung, as suas conclusões não foram aceitas pela grande maioria; sendo assim, o mistério do "Máscara de Ferro", através dos séculos, permanece  insolúvel, perfilando entre os grandes Enigmas da história .