quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A Misteriosa Zona Del Silencio

A Zona del Silêncio,no Mexico é um dos lugares mais misteriosos do Mundo. A área recebeu este nome espanhol, devido a uma estranha anomalia que  impede a transmissão de sinais de rádio  e TV  e tem uma história documentada sobre actividade de Ovnis. Fica a 400 Km de El Paso, Texas.
Dentro desta  área, os sinais de rádio,de televisão,ondas curtas, microondas ou sinais de satélite não  conseguem penetrar nesta zona.
Em 1970, um míssil americano, lançado da Base de Mísseis de White Sands, no Novo México, saiu inexplicavelmente do curso e caiu no misterioso deserto,posteriormente uma equipa de investigadores da Força Aérea dos EUA, com a aprovação do governo Mexicano, viajaram até ao local do acidente e fizeram a descoberta inesperada...que nenhum sinal penetrava nesta zona.
Pesquisadores sugerem que pode haver alguma anomalia natural associado com a região. Altos níveis de magnetite têm sido descobertos, além de ter muita actividade de Meteoritos, levantando a especulações de que pode haver algumas propriedades magnéticas incomuns associadas com os minerais no calcário do solo.
Os Pesquisadores têm tentado determinar se o minério é natural ou é o produto de uma contaminação de milhares ou milhões de anos de queda  dos Meteoritos na região. Se as propriedades magnéticas são resultado de causas naturais, esta poderia ser a principal razão para a queda de objectos de ferro vindos do espaço.
Teóricos apontam que a Zona do Silêncio está geograficamente localizada ao Norte do Trópico de Câncer e compartilha a mesma Latitude das Pirâmides do Egipto, das Cidades Sagradas do Tibete e do Triângulo das Bermudas. Coincidência...ou não?
Esta energia concentrada poderia estar ligada à actividade de Ovnis. Luzes estranhas, orbs flutuantes, bolas em chamas e encontros com Extraterrestres têm sido relatados  na área.
Fazendeiros relatam que o céu nocturno é muitas vezes cheio de luzes misteriosas e aviões supostamente caíram verticalmente no deserto, muitas vezes pegando fogo.
Há relatos de encontros com criaturas Humanoides,por exemplo,uma família afirma que eles são visitados regularmente por  dois machos e uma fêmea,com cabelos longos e loiros, que falam um espanhol perfeito. A familia afirma  que esses visitantes só pedem água, nunca comida ou outras coisas e ao serem questionados sobre “De onde eles vieram?”, eles teriam respondido “De cima”.
Outra história conta que um casal,que recolhia pedras e fosseis raros,na zona, foi ajudado por seres estranhos,no deserto depois de ficarem na estrada após a explosão de uma nuvem incomum,que fez chover a cantaros e resultou que o veiculo ficasse atolado na lama. Estes seres usavam capas de chuva e bonés.
Apesar não haver dúvidas de que existe algum Fenómeno natural que fuja á explicação lógica,estas histórias e muitas outras ainda precisam ser comprovadas.
A primeira ocorrência documentada do apagão de ondas de rádio ocorreu em 1930, quando Francisco Sarabia, um aviador do Norte do Mexico de Coahuila, informou que o seu rádio tinha misteriosamente parado de funcionar. Mas apenas  em 1970, a Zona Del Silencio ganhou destaque na mídia,com a queda o missel Americano.
Alguns anos mais tarde, um dos estágios utilizados no projecto Apollo  caiu na mesma área.
Em Novembro de 1978, o Jornalista Luis Ramirez Reyes visitou a Zona Del Silencio com uma equipa designada  para uma reportagem  sobre as propriedades bizarras do local.
Acerta altura, eles perceberam que havia três homens andando na estrada à  sua frente, vindo na direção deles.
Esperando que esses homens pudessem ser capazes de apontar na direção certa, o Jornalista  pediu ao  companheiro, que conduzia, para parar pois ele queria falar com eles.
Ele assustou-se quando o condutor passou por eles, como se não os tivesse visto. Mais á frente, ele foi surpreendido ao vê-los novamente,noutra parte diferente do Deserto.
Ramirez teve a oportunidade de falar com os três e perguntou se tinham visto mais veículos como o deles na área. Eles disseram que não mas indicaram o local que o Jornalista estava procurando.
Mais tarde num levantamento de dados aéreo, revelou ao jornalista a imensidão da região que se estendia por centenas de kms. Como pode ele ter visto essas pessoas em dois lugares diferentes,longínquos um do outro, no mesmo dia?! E se não eram pessoas, o que eram  e donde viriam?
Boa Noite amizades,não percam o proximo assunto.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Os Misteriosos Discos de Baiam Kara Ula

Discos que se parecem com CDs da nossa musica moderna com mais de 12 mil anos...é possivel?!
Sim,é bem possivel,leiam a historia;

De acordo com a Lenda, uma expedição feita em 1939,por um pesquisador chinês de nome Chi Pu Tei, acompanhado pelos seus alunos viajaram à região de Baian Kara Ula,uma remota cadeia de montanhas do Tibete,encontrando um conjunto de grutas,com algumas características pouco usuais, estas dividiam-se conforme avançavam em muitas cavernas subterrâneas, que por fim,novamente se cruzavam.Contudo quanto mais eles exploravam,mais percebiam que não se tratavam de simples cavernas, criadas pela natureza, mas de cavernas geradas artificialmente,já que todas tinham por parâmetro a forma quadrada e cristalizada,naquela época com a tecnologia existente, era impossível gerar aquele tipo de estrutura artificial, pois para se gerar os cortes rectos e a própria cristalização era  necessária uma grande quantidade de calor no caso pela composição mineral daquela região gera em torno de 1.200 graus célsius.

Ainda intrigados com a descoberta os pesquisadores foram mais  fundo no sistema de cavernas e acabaram por localizar o que aparentavam serem sepulturas, intrigados, ao  abrirem uma delas localizaram o corpo de um ser humanoide com estatura baixa medindo entre 1,00 m. e 1,38 m., o tamanho do seu crânio em relação ao corpo, era extremamente desproporcional e a estrutura óssea era aparentemente frágil para os nossos padrões de rigidez óssea.

Continuaram a explorar a caverna atrás de pistas que pudessem esclarecer o mistério ali envolvido. Mais algumas caverna adentro foram encontrados desenhos e inscrições talhados nas paredes.
Os pictogramas representavam coisas que foram rapidamente identificados como sol nascente, montanhas, Lua, o Planeta Terra, as Estrelas, com pontos e linhas se conectando entre si. Em seguida foi encontrado semi enterrado um disco de 22,7 cm de diâmetro.Descobriram mais de de 715 discos de diversos tamanhos,com desenhos e escritos estranhos.
Parecia ser uma espécie de registro histórico e a datação posterior do disco de pedra surpreendeu  todos, pois
mostraram ser bem mais antigos do que se imaginava...por volta dos 10.000 e 12.000 anos de Antiguidade.
Isto surpreende um pouco e aumenta mais ainda o seu mistério, pois torna estes discos mais antigos do que as Pirâmides do Antigo Egipto.

Juntos com os restos mortais dos estranhos seres foram encaminhados para Beijing (Pequim) na China. Ficaram então guardados no Museu de Pequim para posteriores pesquisas.
Durante mais de 20 anos houve várias tentativas frustradas de decifrarem o que estava escrito nos pratos, mas sem resultado positivo.Em 1962, um professor chamadoTsum Um Nui tentou decifrar o significado das gravações feitas nos discos. Com alguns colegas, constatou que os sulcos em espirais em cada um dos discos eram uma espécie de escrita muito bem estruturada,desconhecida para nós. E que antes de tentar decifrar, precisaria transcrever todo o conteúdo para o papel. Assim começou o árduo trabalho de identificação dos caracteres. Foi necessário o uso de lupas para observar os caracteres e copia-los para os blocos de anotações. E assim, os discos, um a um foram analisados à lupa, para a cópia minuciosa do que estava escrito para papel. Isso facilitaria na tentativa de tradução.

Foi um processo demorado e nada fácil. Por fim, com muita dificuldade, fazendo suposições e imaginando significados, transformando alguns desenhos em palavras inteiras, ou mesmo frases completas, uma parte acabou formando uma suposta tradução plausível e lógica. Assim uma parte pode ser decifrada. Toda a tradução reunida pela equipe foi então traduzida para a escrita Chinesa. Mas apenas uma pequena parte foi traduzida, a maior parte continua sem significado, na verdade ficou incoerente. A parte que pode ser traduzida é tão assombrosa que assusta pelo conteúdo. Tão assustadora que depois de traduzida foi recusada pela Universidade que se recusava a aceitar o seu conteúdo. Recusaram-se a publicar as suas pesquisas.. Frustrado pela recusa de publicação, Tsum Ui Nui exilou-se no Japão até á sua morte,

Somente três anos depois, em 1965, foi publicado não na China, mas na Alemanha na revista “Das Vegetarische Universum”, pelo filósofo Vyacheslav Saizev.Também na revista anglo-russa “Sputinik”, sobre a descoberta dos discos,o seu conteúdo e a tradução feita pelo professor Tsum Ui Nui. Segundo a publicação, os discos e as escritas somente poderiam ser feitos por meio mecânico e jamais poderiam sido feitos a mão devido á sua grande precisão. O maior disco tinha 3 metros de diâmetro e o mais leve tinha 400 gr.
Após essas publicações,finalmente, os cientistas Chineses mostraram fotos dos discos. O governo sempre evitou a divulgação de descobertas deste tipo, por isso pouco se ouvia falar sobre isso..

 A parte ordenada e decodificada conta a história de uma nave intergaláctica que foi obrigada a pousar neste Planeta. Os tripulantes eram os Dropa. Provenientes de um Universo distante e  tendo o seu transporte sido danificado, tiveram que fazer uma aterrisagem forçada  e com a nave estragada, não podiam mais voltar. Teriam de ficar no Planeta e tentar sobreviver. Parecia que não podiam se comunicar com o Planeta de origem.

Assim os Dropa resolveram se refugiar nas montanhas.Eram machos, fêmeas e crianças e viveram nas grutas ,fizeram as galerias das cavernas, onde fizeram as inscrições na parede e fizeram os discos de pedra contando o ocorrido. As suas intenções eram pacíficas e tentaram contactar com os habitantes da Terra, mas não foram compreendidos. Os humanos que os viram confundiram-nos com demonios inimigos e armados com lanças caçaram-nos e mataram a maioria deles. Pois a aparência dos Dropa era feia e repugnante,causando terror aos humanos.
Os humanos que os Dropa tentaram contactar eram os nativos da tribo Han, que também habitavam em cavernas nas montanhas vizinhas. Os Han consideravam-nos inimigos e que estariam tentando invadir o seu território.Mas por fim, após diversas tentativas de comunicação, os Han conseguiram entender as finalidades pacíficas dos Dropa e estes foram admitidos pelos Han e convidados no seu território. Assim os Dropa sobreviventes puderam viver juntamente com os Han até que todos morreram e foram enterrados nas cavernas onde viveram.

Seja qual for à verdade,os pesquisadores continuam fascinados com  a sua existência. A alta concentração de cobalto e a alta dureza delas aumentam o mistério acerca destes objectos.
Muitos no entanto ainda continuam a duvidar da sua existencia e outros que foram forjados...o certo é que quase ninguem duvida que não somos os unicos neste imenso Universo e que muitos factos ainda estão por explicar.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O Misterioso Mecanismo de Antikythera

Image and video hosting by TinyPic
Este artefato, que foi chamado de Mecanismo de Antikythera, é uma peça feita de bronze e madeira que em 1900 foi resgatada perto de um navio naufragado em Antikythera,Creta. Até pouco tempo o mecanismo intrigava os cientistas,já que análises revelaram que o mecanismo tinha cerca de 1.500 anos de idade, mas análises feitas no ano passado reforçaram a ideia de que o instrumento é ainda mais antigo.

Há inscrições na parte da frente e atrás do aparelho e, nos anos 70, os cientistas as dataram como sendo feitas em 87 aC. Mas, mais recentemente, os cientistas examinaram letras gregas nas inscrições e dataram o mecanismo como sendo feito entre 150-100 aC. Não satisfeitos, os pesquisadores analisaram os eclipses que o dispositivo registrou, e descobriram que o calendário do mecanismo de Antikythera era entre 50 a 100 anos mais antigo do que se acreditava. Hoje, com base em todos esses dados, estima-se que o instrumento foi construído por volta de 205 aC, pouco tempo depois que Arquimedes morreu...
Muita especulação foi feita sobre qual seria o real propósito da peça, mas agora um grupo internacional de cientistas descobriu que ela era na verdade um computador analógico, capaz de fazer o cálculo relativo das posições do sol, da lua e de outros planetas, podendo assim prever inclusive eclipses solares. Segundo os cientistas, o dispositivo é composto por três discos, sendo que o da frente mostra o posicionamento do sol e da lua no zodíaco e o calendário correspondente de 365 dias. Os outros discos mostram os ciclos mais longos da lua, como de fases da lua (metónico), que dura 19 anos, e o de posicionamento no céu, relativo ao zodíaco (Calípco), que dura 76 anos.

O complexo conjunto de engrenagens de bronze era assim(segundo afirmam)usado, entre outras coisas, para prever precisamente eclipses lunares e solares, a posição do Sol, Lua e planetas como Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Pesquisadores recentemente também descobriram que o mecanismo de Antikythera acompanhava as datas dos Jogos Olímpicos e anos bissextos.
Esta peça continua a interessar os cientistas,já que era demasiado avançada para a sua época...e quem a teria feito??Ainda nãoo sabem e talvez nunca o saberão...

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Os Misteriosos Plamyras de Vaitheeswaran


Depois de varios precalços na minha vida,aqui estou de novo para continuar a escrever este Blog,que é uma das minhas paixões...a busca pelas Historias da Historia e os seus Misterios.
Agradeço a todos os meus fãs a vossa visita e comentarios,não apenas aqui no Blog,mas tambem nas minhas redes Sociais,é sempre optimo saber que tambem outros gostam deste imenso tema,obrigada!!!
E agora sem perder mais tempo,vamos ao que interessa;

No passado fim de semana vi um documentário que chamou a minha atenção...
Um lugar na Índia,Vaitheeswaran Koil,onde certos astrólogos afirmaram ter escrito o destino de cada um dos habitantes da Terra,ao pormenor.Se é verdade ou não não sei,mas que é estranho...é.Não devemos esquecer que a India tem muitos misterios não desvendados(incluindo seres de outros Mundos,nas suas Lendas...)além de ser uma das Civilizações mais antigas.

O Relato;

No sul da Índia existe uma pequena aldeia com pouco menos de 8.000 habitantes habitar nas suas 3 únicas ruas e visitam o único Templo que têm.
Possui um algo Mundialmente famoso, uma tradição perturbadora incorporada numa série de Bibliotecas que são guardadas como um tesouro,os chamados "Plamyras" ,uma especie de pergaminho mas  feito do coração da palmeira,em que mais de 2000 anos atrás sete Sábios escreveram a vida de todas as pessoas na Terra.
1.200 anos depois, esses escritos foram Descobertos num Templo na cidade de Vaithiswarankoil, o epicentro da Astrologia no sul da Índia. Este é o lar para os leitores do "Nadis" (palavra que significa Destino, missão, dever ...) residentes Astrólogos usam á 600 a mesma escrita em Sânscrito para revelar o Passado e o Futuro.

Anualmente, milhares de pessoas viajam para Vaithiswarankoil para ler o seu Destino nas Plamyras, mas apenas os eleitos podem ver todo o processo. Usando a impressão digital como guia, os leitores Nadis buscam milhões de folhas que foram escritas para esses eleitos há 2000 anos atrás.

Para chegar a Vaithiswarankoi tem que ir de comboio para Chidambaram e de lá de táxi. Uma vez na cidade, é impossível de se perder,apenas possui 3 ruas e o seu famoso Templo está num delas.

Os escritos se traduzem em poemas e são cantados como tem sido feito por centenas de anos.
O processo de leitura normalmente leva 1h. As leituras dizem que são o resultado de fervorosa Oração e devoção ao Deus Hindu Shiva, que deu a clarividência aos Sábios do grupo esotérico de Siddhas.
Hindus chamam isso de clarividência, o sexto sentido de percepção extra-sensorial.

Bem,voltando ao documentario,certo Escritor Americano fez a viagem para ler o seu Destino,conseguindo ser um dos eleitos e então ouvir cantar o seu Destino.Ouviu o nome da sua mãe e do pai,que se tinha divorciado recentemente,a sua idade e a sua profissão...Isso foi o que nós espectadores podémos ver,mas o resto era pessoal.Após o final da leitura ele disse que estava arrepiado com tamanha coincidencia(ou não...)da sua historia de vida e que ainda algo de bom estaria ainda á sua espera...
Os seus leitores Nadis leram nelas que dentro de 100 anos todas as folhas urão ficar pretas e nunca mais poderão ser lidas. Isso significa o fim dos tempos? Até esse dia fatídico, Vaithiswarankoil continuará a ser um lugar onde actuam forças misteriosas.

 E vocês meus amigos,o que pensam...?Boa Tarde,até breve.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Os Hicsos....

Os Hicsos foram um Povo Asiático, provavelmente  Indo-árico que invadiu o Delta do Nilo, iniciando a XV Dinastia Egípcia, no denominado segundo Período Intermediário do Antigo Egipto.
O termo Grego Hicsos deriva do Egípcio Hik-khoswet,que significa "Governantes de Países Estrangeiros".

A Sua Presença na História Egípcia;

O "Período dos Hicsos" ainda é obscuro na História do Egipto, é ainda  entendido muito imperfeitamente. É consensual que os Hicsos foram uma vaga de Povos Asiáticos do corredor Sírio-Palestino e dos Desertos em redor que ocuparam gradualmente o Delta do Nilo, em busca de alimentos. O período consistiu essencialmente na mudança de Governantes e na forma de administração.
Os Hicsos eram mais uma Aliança de Povos e um evento Cultural e tecnológico, mais do que Invasores Militares propriamente ditos. Em copta "Hakasu";estrangeiros, pastores, nómadas.

A Morte do Faraó Sebekneferu (aprox. 1780 a.C.) e a tomada de poder por Amósis I (aprox. 1570 a.C.) podem ser determinadas com uma certa segurança. Tendo a data da Morte de Sebekneferu ocorrido aproximadamente em 1780 a.C., e tendo Amósis  se tornado Faraó por volta de 1570 a.C., o Segundo Periodo Intermédio teve uma duração não superior a cerca de 220 anos.
Os Eruditos presumem que houve uma desintegração do Poder Egípcio. Os Vestígios Arquelógicos actualmente disponíveis conhecidos não confirmam e nem negam a ideia que os Hicsos tenham Conquistado Militarmente o Delta do Nilo; mas é certo que houve um sistema de fortalezas no Levante nos anos finais do período.

Conquistas;

Flávio Josefo, apresenta os Hicsos como Conquistando o Egipto sem Batalha, Destruindo Cidades e "os Templos dos Deuses", e provocando matança e devastação. São apresentados como se fixando na região do Delta. Por fim, diz-se que os Egípcios se sublevaram, travaram uma longa e Terrível Guerra, com 480 mil homens, cercaram os Hicsos na sua Cidade principal, Aváris, e então, de modo estranho, chegaram a um acordo que permitiu que os Hicsos deixassem o País sem sofrer danos, junto com as suas Famílias e seus bens, e daí, esses foram para a Judéia e construíram Jerusalém.

Evolução Histórica;

No final do Reinado do Faraó Amenemhet III (1843 a 1797 a.C.), iniciou-se uma lenta e constante decadência do Poderio do Império Egípcio. Eles derrotaram a fraca 13.ª Dinastia, cuja Capital se situava perto de Mênfis, e governaram o médio e baixo Egipto por volta de 1700 AC por um período de cerca de 100 anos.

A invasão iniciou com um banho de sangue na região do Delta, seguido pelos saques às Cidades;

 "Havia então um Rei nosso chamado Timaios. Foi no seu Reinado que isso aconteceu. Não sei por que os Deuses estavam descontentes connosco. Surgiram de improviso, Homens de nascimento ignorado, vindos das terras do Oriente. Tiveram a audácia de empreender uma campanha contra  a nossa Terra e a subalugaram facilmente sem uma única Batalha. Depois de haver submetido nossos Soberanos ao seu Poder, incendiaram barbaramente  as nossas Cidades, Destruíram os Templos, os Deuses, e todos os Habitantes foram tratados Barbaramente; mataram uma parte e levaram os Filhos e as Mulheres de outros como Escravos. Por fim, elegeram Rei um dos seus; o nome dele era Salatis; vivia em Mênfis e cobrava tributo ao Alto e Baixo Egipto; instalou guarnições em lugares convenientes... Escolheram no Distrito de Saís (no Baixo Egipto) uma cidade adequada para os seus fins, que ficava à leste dos braços do Rio Nilo, junto a Bubaste, e chamaram-na de Aváris" - segundo o relato de Méneto.

Este Sacertode e Historiador foi Exilado na sua época por registrar esta História numa Estela de Pedra. Após a ocupação, coexistiram com a 13.ª Dinastia Tebana. Nesse tempo, a Síria e Canaã estavam sob domínio do Egipto. Era o início do período Histórico conhecido como Segundo Período Intermediário.

Em 1704 a.C., tem início do reino do Faraó Aya (Merneferre). Desse ano até o ano de 1640 a.C., sucederam-se outros 43 Faraós no Trono, mas, não sem oposição. Os Vizires do Alto Egipto e Baixo Egipto adquiriram forças política cada qual em suas regiões administrativas e iniciaram a descentralização do País aproveitando a desordem que começou gradativamente com a chegada dos Imigrantes Asiáticos; o aumento das riquezas nivelou as Famílias mais importantes, fragmentando em diversos Nomos as 4 divisões em que Sesóstris III (1879 a 1843 a.C.) havia estabelecido no ano de 1878, agindo de forma Independente. Os Asiáticos agrupavam-se cada vez mais no Delta do Rio Nilo, chegaram a superar a População Egípcia, muitos deles foram absorvidos pelas camadas mais Pobres da Sociedade, alguns alcançaram elevados postos na Administração local; um dele, cujo nome era Khendjer (do semita Hanzir que significa "Javali") chegou a ser Faraó por 1 ano. Os Hicsos permitiram a princípio que a 13.ª e 14.ª Dinastia (que foram Faraós remanescentes da 13.ª Dinastia, sem importância) se manter no Alto Egipto, desde que pagassem o tributo anual.

Guerras Entre Egípcios e os  Hicsos;

Em 1640 a.C., no Baixo Egipto, teve início a 15.ª Dinastia Hicsa com Salitis (Swoserenre), o 1.º Faraó não-Egípcio. Seus domínios se estendiam do Delta do Nilo (Baixo Egipto) até a Cidade de Meir (Alto Egipto). Dessa Cidade até à 1.ª catarata, estavam os Egípcios divididos em diversas unidades Políticas tributárias dos governantes Hicsos; da 1.ª até a 4.ª catarata estava o Reino da Núbia (Sudão), sediado na cidade de Kerma, Aliados dos Hicsos.
Entre os anos de 1640 e 1585 a.C., sucederam-se 3 Governantes Hicsos no Trono de Aváris: Salatis, Sheshi e Khian. Em 1585 a.C., passou a Reinar Apófis (Awoserre). Apóphis provocava os Egípcios com os motivos mais banais, tentando-os à Guerra. Em xxxx AC, deu-se a primeira Guerra entre o Hicso Apófis e o Faraó Seqenenré Tao II (de cogonome "o Bravo") da 17.ª Dinastia. Exame da sua Múmia mostrou que ele Morrera Violentamente, o seu crânio apresenta uma perfuração, talvez tenha tombado em Combate.

Em 1573 a.C., o sucessor do Faraó Seqenenré Tao II foi o Kamósis (Wadjkheperre). Diz-nos um Papiro, que Apófis terá mandado um mensageiro à Nô-Amom (Tebas), ordenando-lhe que matassem os hipopótamos que viviam no Rio Nilo próximo à Nô-Amom, pois o barulho feito por eles impedia o seu descanso; caso não fossem tomadas as devidas providências, ele mesmo invadiria o Alto Egipto para dar cumprimento às suas ordens. Kamósis I conclamou o Alto Egipto em levante contra o governante Hicso; este se aliou com os Núbios no Sul, para conter a revolta. Os Egípcios lutaram em duas frentes de Batalhas, ao Norte contra os Hicsos e no Sul contra os Núbios e venceram ambas, levando a Luta até as proximidades de Aváris no Norte, e Buhen no Sul. Mas, nada se sabe sobre ele depois dos 3 anos que durou o levante contra os Invasores. Não sabemos como Morreu e quantos anos Reinou. A sua Múmia, em mau estado de conservação, ficou reduzida a pó antes de poder ser Examinada. Foi Sepultado num Sarcófago dos mais simples, o que parece indicar Morte prematura e falta de tempo de realizar um Funeral solene.

Em 1570 a.C., o Faraó Amósis I (Nebpehtire), Filho de Kamósis, inaugura a 18.ª Dinastia. No Sul do Egipto, Amósis I derrotou os Núbios, levando a fronteira até a 3.ª catarata, voltando à mesma posição da época da 13.ª Dinastia. Khamudi assume o Trono de Aváris, e dá continuade à Guerra contra os Egípcios. Em 1532 a.C., sucede Amósis I. Este continuou a Guerra de Expulsão dos Hicsos, iniciada por seu Pai conseguindo seu objectivo após 10 anos de Guerra contra Khamudi. Termina os combates com vitória de Amósis I. Ele expulsou os Hicsos do Egipto, perseguindo-os pela Canaã, Fenícia e Síria, até a Cidade de Carquemis (Karkemish) junto do Rio Eufrates, onde se deteve militarmente perante os Hurritas do Reino de Mitanni.

Razões da Invasão;

As principais razões dos Hicsos foram;

1-Escassez de alimentos na Ásia Ocidental, enquanto no Egipto abundava alimentos;

2-A desordem resultante da presença de estrangeiros e a falta de coesão;

3-O atraso técnico e Militar do Egipto em comparação com alguns Povos Asiáticos; os Exércitos Egípcios eram formados essencialmente pela Infantaria a pé. Como não dispunham de Cavalos e não usavam Carros de Combate puxados a Cavalo, seriam uma presa fácil para qualquer Exército que tivesse Cavalaria.

Algumas Vantagens do Egipto,Após Ocupação;:

1-Vulgarizaram o uso do bronze até então raramente empregado no País;

2-Substituíram a liga de Bronze importada, pela de Cobre-Arsenico;

3-Introduziram a roda de Oleiro aperfeiçoada;

4-O tear vertical;

5-O boi indiano (Zebu), mais resistente que o Boi Egípcio;

6-Novas culturas de Hortaliças e Frutas até então Desconhecidas no Egipto;

7-Uso do Cavalo e do Carro de Guerra;

8-A roda mais leve de arcos compostos;

9-Novas formas de Cimitarras - Sabre oOiental de lâmina curva;

10-Novas armas e tácticas Militares;

11-Forma de dançar modificada em relação aos períodos anteriores.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

A Pirata Jane de Belleville


Jeanne De Belleville (também conhecido como Jeanne De Clisson) apresenta um maravilhoso exemplo de como uma história impressionante pode ser transformada numa lenda épica. 

A Guerra dos Cem Anos

Quando o Duque de Brittany morreu sem um herdeiro do sexo masculino em 1341, tanto o Rei Edward III de Inglaterra como Phillip VI da França viram uma oportunidade. Os dois Reis já estavam em desacordo sobre a aclamação de Edward pelos territórios franceses e, na verdade,pela própria Coroa. O Ducado estava entre os seus dois Reinos e daria um bom ponto para a  invasão. O apoio dos reclamantes concorrentes, Jeanne de Penthièvre e Jean de Monfort, inflamou o conflito que ficou conhecido como a Guerra dos Cem Anos.
 
Uma das primeiras vítimas foi o rico e influente Lorde Olivier de Clisson. Um apoiante de Monfort, que  era favorecido por Edward,foi capturado por Phillip enquanto participava de um torneio em 1343, e executado como traidor. Isto indignou muitos dos seus apoiantes, que acreditavam o Rei agiu tanto ilegalmente como desonrosamente. Acima de tudo, ultrajou a esposa, a igualmente rica e influente Jeanne de Clisson. Como ela possuia por direito próprio as terras de Belleville, ela foi também frequentemente conhecida como Jeanne de Belleville.

A Gloriosa Lenda 

Diz a Lenda que Jeanne navegou com os seus dois filhos de Clisson para a cidade de Nantes, para mostrar-lhes a cabeça do seu pai exibido às portas da cidade. Em seguida,vendendo essas terras que permaneceram com ela, ela formou uma pequena força de homens leais  e atacaram as forças pró-Franceses, na Bretanha,massacrando a guarnição de Chateau Thébaut. Quando a sua situação tornou-se muito perigoso na terra, ela embarcou para o mar, mas o seu navio naufragou numa tempestade, deixando ela e os seus filhos à deriva num pequeno barco. Antes de chegarem a terra, o filho mais novo morreu. Ela e o seu filho restante procuraram abrigo na Inglaterra.

Com a ajuda de Edward, ela equipou mais três navios. Pintou-os de  preto e tingiu de vermelho as velas, ela caçados navios Franceses ao longo do do Canal Inglês. Sempre que ela capturava um Nobre Francês, ela o decapitava com as próprias mãos, mas sempre deixava um ou dois da tripulação viva para relatar  as suas ações para Phillip. Ela ficou conhecida como a "Leoa da Bretanha"; insultada como um monstro por alguns, elogiada como uma Heroína por outros. No entanto, depois de treze anos, ela casou-se com um Nobre Inglês, terminando  com o mar e a sua busca por vingança.
 
Há diversas variações sobre esta história, embora os elementos importantes permanecem constantes.

Os Factos Confusos

Este conto tem elementos em comum com o romance"Jeanne de Belleville", publicado na França em 1868 por um Émile Pehant. Um correspondente de Victor Hugo, Pehant escreveu-o no auge do movimento romântico francês.

No entanto  um manuscrito conhecido como o "Chronographia Regnum Francorum" confirma alguns dos detalhes,além disso, a decisão do Julgamento Francês no final de 1343 condena Jeanne como uma traidora  e ordena o confisco das suas terras. Em 1345, registros do tribunal Inglês indicam que Edward concedeu-lhe uma renda de terras agora controlados pela Bretanha e ela é mencionada numa trégua elaborada entre França e a Inglaterra em 1347 como uma valiosa aliada dos Ingleses. Estas fontes sugerem que o período da sua actividade real foi restrito a cinco meses entre a execução de Lorde Clisson e a sua fuga para a Inglaterra.

Jeanne chegou à Inglaterra, não só com um filho sobrevivente, Olivier, mas uma filha, Jeanne. Seu filho foi criado na Corte Inglesa e por 1349, ela tinha realmente casado com o ​​comandante de Edward Walter Bently, e ela não tinha abandonado os seus interesses. O presente  de Casamento do Rei  foram as terras de Belleville ainda nas mãos dos Franceses. Ela e o seu marido regressaram rapidamente a França e por 1352, Bently tinha a responsabilidade por todos os interesses Ingleses na França.
 
A data e as circunstâncias da morte de Jeanne são incertos, mas em 1359,o filho Olivier fez homenagem a Edward pelas terras e  renda que tinha sido concedido a sua mãe - e recebeu-as.

O Final

O jovem Olivier de Clisson, recuperou o título e as terras de seu pai, mas só depois da maré da guerra ter findado. Ele alcançou sucesso na Corte Francesa, tornando-se Condestável da França sob Carlos VI. A jovem Jeanne caso-se com um dos homens de Edward e o seu filho foi reconhecido como o senhor de Belleville. 

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Julio César e os Piratas do Mar Egeu...


No Ano 78,antes da nossa Era,quando Julio César era apenas um jovem,viu-se frente a frente com um bando de Piratas da Asia Menor,em circunstancias dramáticas.A Galera em que viajava foi bruscamente atacada por uma Terrível horda de Bandidos que brandiam sabres.Os Passageiros,trémulos,agarravam-se ao parapeito da Ponte,mas o jovem,elegantemente vestido,impassível,olhou-os de relance e continuou a Leitura.O Chefe dos Piratas,vendo que se tratava de pessoa instruida e decerto rica,ofereceu-se,para o libertar,em troca de uma quantia,então considerável,de 20 Talentos.O jovem olhou-o com desprezo e exclamou,em tom arrogante;

“20 Talentos?!Na verdade,se você soubesse do seu oficio,compreenderia que eu valho,pelo menos,50!!!”

Espantado o Chefe não tardou a aceitar aquela quantia.
Assim César,passou algumas Semanas na Grecia,tratado mais como um hospede do que um prisineiro.Para se manter em forma,todos os Dias nadava,corria,praticava Luta com os seus Guardas,indo mesmo,ao ponto de lhes Recitar Poemas,o que os fazia rir.Mas os risos esmoreceram nos seus labios,quando César lhes declarou;

“Prometo-lhes que,se  alguma vez voltar a encontrá-los,fa-los-ei executar a todos”.

E assim foi,César cumpriu a sua palavra.Logo que foi posto em Liberdade,preparou uma Terrivel Vingança...á frente de 4 Galeras com 500 Homens atacou o Covil dos Piratas,encontrou-os ocupados a beber e a divertir-se,e fê-los chacinar sem mais delongas,não sem ter recuperado o montante do seu Resgate.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A Estranha Vida de Violet Jessop,Que Sobreviveu a 3 Naufragios...


Ela estava a bordo todos os três navios irmãos da Linha "White Star" durante cada um dos seus desastres, e ela sobreviveu a todos eles...!!!

Em 1910, quando ela tinha 22 anos, Violet começou a trabalhar como hospedeira a bordo do Olympic RMS. Ela estava a bordo quando este,colidiu com o HMS Hawke em 1911. (O navio conseguiu ser reparado e continuar a navegar até que foi desmantelado em 1935.)
Em 1912, ela estava a bordo do Titanic, ainda trabalhando como hospedeira, quando o navio colidiu com o iceberg. Ela estava num barco salva-vidas16º que mais tarde foi resgatado pelo RMS Carpathia.
Violet afirmou que, pouco antes dela entrar no barco salva-vidas, um oficial entregou-lhe um bebê e disse-lhe para cuidar dele. Ela disse depois no dia que eles foram resgatados pelo Carpathia,que uma mulher levou o bebê dos seus braços e saiu correndo. O bebé nunca foi identificado...Mas segundo os registros mostram que apenas um bebê estava a bordo da embarcação de Violet, e que ele foi entregue a Edwinda Troutt, e depois devolvido à sua mãe. Porque esta história é tão semelhante ao que Violet disse, e porque ela nunca contou isto a ninguém até os anos 1970, algumas pessoas dizem que Violet inventou a história por completo.

O terceiro navio irmã, The Britannic, foi planejado para ser o maior dos três navios, mais luxuoso do que até mesmo o Titanic, mas por causa da Primeira Guerra Mundial, ele foi transformado num navio-hospital e nunca transportou passageiros.
Em 1916 Violet tinha-se tornado numa enfermeira e estava trabalhando a bordo do HMS Britannic quando ocorreu uma explosão a bordo e fez o navio afundar,no mar Egeu. Não se sabe o que causou a explosão, mas as duas teorias mais populares são de que o navio atingiu uma mina ou que ele foi atingido por um torpedo. Violet estava num bote salva-vidas, que foi sugado pelas hélices. Ela atirou-se para o oceano, mas bateu com a cabeça no fundo do barco. Felizmente, um outro barco salva-vidas,chegou  perto dela e puxou-a para fora da água.
Antes que ela entrasse no seu barco salva-vidas, ela fez questão de trazer a sua escova de dentes; ela disse que foi a primeira coisa que ela perdeu depois que o Titanic afundou.

Violet continuou a trabalhar para muitas linhas de transporte antes de se reformar em 1950.
Anos mais tarde, Violet recebeu um telefonema de uma mulher que dizia ser o bebê que ela tinha resgatado na noite do naufrágio do Titanic, mas a mulher desligou antes de dizer qualquer outra coisa.
Finalmente,Violet Constance Jessop morreu em 1971... de insuficiência cardíaca congestiva.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A Beleza da Fontana di Trevi...


A bela Fontana di Trevi (Fonte de Trevos) é a maior (cerca de 26 m. de altura e 20 m.de largura) e a mais ambiciosa construção de fontes barrocas Italianas e está localizada na rione Trevi, em Roma.

História do Aqueduto e da  Sua Localização;

A Fonte situava-se no cruzamento de três estradas ("Tre Vie"), marcando o ponto final do "Acqua Vergine", um dos mais Antigos Aquedutos que abasteciam a Cidade de Roma. No ano 19 a.C., supostamente ajudados por uma virgem, Récnicos Romanos localizaram uma Fonte de água pura a pouco mais de 22 km da Cidade (cena representada na  na própria fonte.). A água desta Fonte foi levada pelo menor Aqueduto de Roma, directamente para os banheiros de Marco Vipsânio Agripa e serviu a Cidade por mais de 400 anos.
O "golpe de misericórdia" desferido pelos Invasores Godos em Roma foi dado com a Destruição dos Aquedutos, durante as Guerras Góticas. Os romanos durante a Idade Média tinham de abastecer-se da água de poços poluídos, e da pouco límpida água do rio Tibre, que também recebia os esgotos da Cidade.
O Antigo costume Romano de erguer uma bela Fonte ao final de um Aqueduto que conduzia a água para a Cidade foi reavivado no século XV, com o Renascimento. Em 1453, o Papa Nicolau V, determinou que fosse consertado o Aqueduto de" Acqua Vergine", construindo ao seu final um simples receptáculo para receber a água, num projecto feito pelo Arquitecto Humanista Leon Battista Alberti.

P.S:
       Se Ainda não conhecem a Pagina do Facebook  aproveitem e visitem-na...Irão Descobrir muitas coisinhas Interessantes!!!
Para não perderem pitada façam Like e Sigam as Novidades!!!
Até á proxima meus amigos,boas Ferias e Bom Verão!!!

sexta-feira, 22 de julho de 2016

A Esquecida Cidade Chinesa Romana


Embora não haja nenhum registro histórico da chegada de Romanos à China, vestígios da sua presença podem ser encontrados na Província de Gansú.Ao lado de moedas com efígies de Imperadores Romanos encontradas, podem ser vistos Chineses de cabelos castanhos e olhos claros que afirmam ser Descendentes de Legionários que ali viveram em aproximadamente 50 A.C.
Esses Romanos teriam vindo da Turquia, a 6.400 km de distância, após uma jornada que começou quando as suas Legiões foram cercadas e Derrotadas por Exércitos da Pártia. Cerca de 20.000 Romanos foram Mortos e 10.000 Aprisionados, dos quais metade fugiram para o Afeganistão e a outra metade, seguiu a famosa rota da seda,chegando á China. Ali os Prisioneiros ensinaram tácticas Militares a Guerreiros Chineses, tais como as formações de escama de peixe e couraça de tartaruga , além da utilização de paliçadas duplas para a defesa de Fortes.
Apesar de Libertados, não retornaram à sua Pátria; isso explica-se pelo facto de que, caso chegassem à Roma, perderiam a Cidadania e seriam Escravizados por terem-se rendido em Batalha e transformado-se em Mercenários. Fundaram então a Cidade de Li Jien (Roma, na Antiga nomenclatura Chinesa) da qual Hoje, só permanecem poucas e mal conservadas Ruínas.