sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Mapa das Antigas Civilizações...

mmm

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Os Servos Leais de Catarina de Aragão...

1969129_670813623036858_1752828265406992363_n
 
Em 23 de Março de 1534, o Parlamento Inglês aprovou ''O Ato de Sucessão”, que fazia com que a sucessão, recaísse nas mãos dos filhos nascidos do matrimonio entre Henrique VIII e a sua segunda esposa, Ana Bolena,apesar de que o próprio Papa, outrora havia declarado que a união do Soberano com a sua primeira esposa Espanhola, Catarina, era válida. Segundo dizia a Lei, todo súdito leal à Coroa, deveria prestar um juramento, reconhecendo tal posição. Logicamente, Catarina negou prestar tal juramento e o Monarca sabia muito bem, que naquele momento, deveria agir com inteligência e não pela força, já que o Sacro Imperador Romano, Carlos V, era sobrinho de Catarina e se  a sua tia recebesse algum tipo de tratamento indevido, ele poderia contra-atacar, com graves represálias.
Pouco depois, em 21 de Maio, o Rei enviou à casa de Catarina, uma delegação composta por Edward Lee, Arcebispo de York e Cuthbert Tunstall, Bispo de Durham. O papel dos emissários do Monarca, seria tentar persuadi-la para que assinasse o Ato de Sucessão e se caso negar-se fazê-lo, seria acometida de traição. Desdenhosamente, ela lhes disse que ela era Rainha da Inglaterra;

 “Por Lei, o Rei não pode ter outra esposa e deixemos que esta, seja a sua resposta”, proclamou Catarina com frieza e serenidade.

Lee e Tunstall, também voltaram a sua atenção aos servos de Catarina. Um a um, eles negaram aceitar a Lei. Dentro do grupo de servos, os Espanhóis ainda não haviam sido entrevistados ao final do primeiro dia de visita dos emissários. Mas antes de tomarem qualquer decisão, consultaram antes  a sua Senhora. No dia seguinte, concordaram que iam prestar o juramento, embora apenas na sua Língua Nativa. No entanto, os experientes servos de Catarina, aproveitaram-se da semelhança que existia entre alguns sons do Castelhano; que por um lado soam quase igual, mas por outro, escrevem-se de maneira muito diferente.
Assim,ao invés de jurar que Henrique ”seja feito (Sea Hecho)”chefe supremo da Igreja, eles disseram ”foi feito (Se Ha Hecho)”, ou seja, davam a entender que o mesmo Rei, ”auto-proclamou-se chefe da Igreja”.
Os Espanhóis, burlaram os Ingleses, a lealdade dos servos de Catarina, manteve-se firme até o final...
 

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Conhece a Historia do Hidromel?

10689855_1491229104485288_1922087892189811481_n
O hidromel é a bebida alcoólica mais antiga da Humanidade. Feito originalmente de água e mel fermentados,a sua descrição mais antiga pode ser encontrada no "Rig-Veda", o Livro dos Hinos dos Hindus, datando-o por volta de 1.700 a 1.100 a.C.. Chamado de “Bebida dos Deuses”, o hidromel está presente nas Mitologias  de todo o mundo.
Aqueles que conhecem o hidromel lembram-se imediatamente dos Vikings. Mas, ao contrário do que muitos pensam, eles não foram os criadores, nem os principais consumidores desta bebida. Acredita-se que o hidromel tenha sido fabricado inicialmente nas savanas Africanas, de forma acidental, quando colméias eram inundadas e a fermentação acontecia naturalmente. Com a constante migração de pessoas indo da África para outros Continentes, o conhecimento do hidromel espalhou-se pelo Mundo.
Mas o processo de fermentação não veio a ser entendido até o século XIX. Por causa disto, este processo tomou qualidades Místicas e Religiosas, aumentadas pelos efeitos do álcool.
Os Gregos Antigos chamavam o hidromel de Ambrosia ou Nectar. Eles acreditavam que esta era a bebida dos Deuses, que caía dos céus como orvalho e era recolhida pelas abelhas. O hidromel teria propriedades Mágicas e prolongaria a vida, além de conferir saúde, força, virilidade, poderes recreativos, humor e poesia a quem o bebesse. Os Celtas acreditavam que um rio de hidromel atravessava o paraíso, enquanto os Anglo-Saxões consideravam o hidromel como a bebida que daria Imortalidade, poesia e conhecimento. Dizem as Lendas que o t’ej, hidromel típico da região da Etiópia, teria sido a bebida preferida da Rainha do Sabá e do rei Salomão. O Enuma Elish, um Mito de criação Babilônico, menciona o hidromel como sendo a bebida dos Deuses. Os Mouros serviam hidromel em casamentos, e acreditavam que a bebida fosse um “Estimulante de Amor”. Os Maias fabricavam um tipo de hidromel chamado "Balache", de flores de campainha e casca da árvore Balache. Dizia-se que quem bebia deste hidromel recebia Poderes dos Deuses que lhes permitiam ter visões.
Mas são os Povos Escandinavos que possuem mais histórias sobre o hidromel. A bebida é mencionada diversas vezes no clássico "Beowulf", além de estar associada à Cultura Viking. É dito que Odin não consumia nada além de hidromel, que para ele seria comida e bebida. Em Valhalla, o Paraíso Nórdico, os Heróis teriam um banquete de carne de javali que se renovaria toda noite, e receberiam um suprimento abundante de hidromel de Heidrum. A Mitologia Nórdica também fala de Kvasir, um Sábio morto por dois anões, que ao misturarem o seu sangue ao mel criaram o hidromel da poesia. Este hidromel daria sabedoria e a habilidade poética a quem o bebesse.
Dois fatores contribuíram para o declínio na produção do hidromel. O primeiro foi a descoberta da fermentação da uva, mais fácil e barata. Assim, o vinho tomou o lugar do hidromel em todos os lugares onde esta fruta podia ser facilmente cultivada. O segundo foi a urbanização, que fez com que o preço do mel subisse.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Mapa dos Monumentos do Antigo Egipto...

hg
Boa Noite,Sejam Bem Vindos,Amigos!!!
Depois de um pequeno periodo de ausencia regressei de novo...
Hoje deixo apenas aqui o Mapa dos Monumentos do Antigo Egipto!!!
Não percam o proximo artigo desta semana,até lá tenham bons sonhos!!!